Cursos presenciais Workshop Fisiofocus TV Blog Contacto

Você gravidez e dor nas costas? - 18/05/2017

irene-embarazo_CROP.jpg

Embora a dor nas costas está bastante presente em nossa sociedade atual, especificamente durante a gestação há muitas mulheres que se queixam de dores nas costas. Inclusive, há números que falam que 80% das mulheres durante a gravidez sofrerão de dor nas costas, especialmente a nível lombar.

 

Quais fatores podem contribuir para que apareçam sintomas?

Fatores mecânicos:

  • A nível postural, ganho de peso durante a gestação e o crescimento do abdômen, fazem com que a postura da futura mãe mude. O centro de gravidade da mãe desloca-se para anterior e aumenta a curba da zona lombar. Esta alteração pode afetar as articulações e os ligamentos das costas, fazendo com que apareçam sintomas de dor.
  • Além disso, temos que pensar que o útero vai aumentando de tamanho ao longo da gestação e que os músculos abdominais se separam. A separação da musculatura abdominal cria uma diminuição na capacidade que tem essa musculatura para manter uma boa postura ou fazer de cinto abdominal fisiológica.

Fatores hormonais:

As alterações hormonais durante a gestação também podem causar inflamação e dor nas costas. Por exemplo, um hormônio chamado Relaxina contribui para a modificação de frouxidão articular. Graças a Músculos da pélvis da mãe se torna mais larga, se movem as articulações como a sínfise ísquio-púbico ou da articulação sacro-ilíaca construindo um canal de parto ideal para que o bebê possa transitar. Estas alterações também podem ser responsáveis pelo aparecimento da dor nas costas.

Fatores circulatórios:

Alguns estudos enfatizam que até 67% das mulheres grávidas apresentam dor durante as noites. Provavelmente a origem seja a congestão venosa que tem a pelve menor durante a gestação. O útero, ao crescer, pressiona a veia cava dificultando o retorno venoso.

Fatores psicossociais da dor lombar na gravidez:

A gravidez é uma fase importante na vida da mulher. Ocorrem alterações a nível pessoal, familiar, social, etc. Entender como a mulher vive a essas mudanças, esta experiência, pode ajudar-nos a acompanhar esta maravilhosa fase.

 

Irene Fernández Faíscas