Cursos presenciais Workshop Fisiofocus TV Blog Contacto

Pilates terapêutico e lesões - 19/12/2017

laura-pilates-CROP.jpg

O método Pilates é um sistema de treinamento físico e mental criado por Joseph Pilates no início do século XX. Baseia-Se no conhecimento de várias especialidades e junta-se o fortalecimento muscular, com o controle mental, respiração e relaxamento.

Seus exercícios são executados seguindo 6 princípios fundamentais: concentração, controle, centralização, respiração, precisão e fluidez de movimento e isso faz com que seja um exercício muito recomendado em caso de lesões.

Hoje em dia, o Método Pilates se tornou uma ferramenta indispensável na fisioterapia como prevenção e tratamento de inúmeras patologias músculo-esqueléticas e recuperação após uma cirurgia. São inúmeros os benefícios do mesmo, tais como a melhoria da mobilidade, aumento da força muscular e estabilidade, coordenação, correção postural e, consequentemente, diminuição da dor.

Para que o método Pilates é eficaz no tratamento de diversas lesões, deve-se aprofundar a avaliação do paciente realizando uma correta anamnese, testes funcionais e de observação da postura. Também definir objectivos, a curto prazo, como a diminuição da dor e melhora da autopercepção do corpo; a médio prazo, correção postural, flexibilidade articular e melhora da força muscular; e a longo prazo, propriocepção, manutenção da postura e integração funcional do movimento.

É importante não protocolizar, tentar encontrar a causa e tratar o sintoma, procurar a participação activa por parte do doente, tratar de forma global, regional e local, use o movimento e a respiração, e seguir os três princípios fundamentais de controle central (ativação da musculatura do assoalho pélvico e transverso), precisão e dissociação coordenada.

Existem exercícios de diferentes níveis que se adaptam às necessidades de cada paciente e podem ser utilizados materiais que assistem ou resistirão os movimentos em função de nosso objetivo. As sessões podem realizar-individuais ou em grupo, mas sempre devem ser específicas para cada lesão.

 

Laura Calçado Sanz